Barra do Punaú em Natal, RN

Natal e João Pessoa, pérolas do nordeste Brasileiro

morro-do-careca-natal

Relembrando fevereiro/2005 – passamos uma semana em Natal, com direito a uma esticadinha a João Pessoa na Paraíba.
Como temos direito ao SESC (Serviço Social do Comércio), antecipamos bem uns 6 meses para conseguir hospedagem na unidade de Natal, que fica muito bem localizada em Ponta Negra, juntinho à praia de mesmo nome.
Não me recordo mais das tarifas, mas eram muito inferiores aos praticados pelas pousadas e hotéis. Afinal estávamos em alta temporada. E tudo de bom incluído (ar-condicionado “era verão”, frigobar, serviços completos de roupa de cama e banho e café da manhã).

praia-de-ponta-negra-e-morro-do-careca

Na foto acima a praia de Ponta Negra, tendo ao fundo o famoso cartão postal da cidade, o Morro do Careca, que de vez em quando é fechado à visitação, para preservar sua forma. Depois de “lagartear” pelo resto do dia de nossa chegada, começamos os contatos para preencher os demais.

Procurando onde ficar em Natal e João Pessoa? Aproveite e faça uma pesquisa no Booking e encontre o que procura.

No dia seguinte, fomos direto conhecer o Forte dos Reis Magos, no fim da Praia do Forte.

forte-reis-magos-natal

Fundado em 1599, foi o marco inicial da cidade. O nome Reis Magos é fruto da data de início de sua construção, 6 de janeiro de 1598, dia de Reis.

forte-dos-reis-magos-natal1forte-dos-reis-magos-natal3

forte-dos-reis-magos-natal4forte-dos-reis-magos-natal2

Do Forte seguimos para conhecer o Parque Estadual das Dunas, carinhosamente chamado também de Bosque dos Namorados. É uma reserva de 1171 hectares de Mata Atlântica no coração da cidade de Natal. Fizemos a trilha guiada Ubaia-Doce, que segue por entre a vegetação até encontrar as dunas, já próximo à praia da via Costeira.

parque-das-dunas-trilha-natal-1parque-das-dunas-trilha-natal-2

parque-das-dunas-trilha-natal-3parque-das-dunas-trilha-natal-4

Terminamos o dia na Praia da Redinha, esperando o por do sol entre ambulantes e barcos de pesca que resultaram em lindas fotos.

praia-da-redinha-pier-2praia-da-redinha-cisne-branco

praia-da-redinha-leao-dumarpraia-da-redinha-vitoria-pela-fe

Nossa programação para hoje incluía a visita obrigatória ao Cajueiro Gigante, à Baía dos Golfinhos e a Praia da Pipa. A reação comum a todos que visitam o cajueiro é de espanto pela sua imponência e tamanho. É também chamado de Cajueiro de Piranji, nome da praia do lugar. A árvore e suas ramificações cobrem 8500m². Produz, em média 70 a 80 mil cajus por safra (2,5 toneladas). Conta a história que foi plantado por um pescador em 1888. Este mesmo pescador teria morrido aos 93 anos sob a sombra do cajueiro.
Nossa visita foi fora da época de produção, mas ainda assim conseguimos um exemplar.

cajueiro-gigante-1

cajueiro-gigante-2

Mirante_Golfinhos

Do Cajueiro seguimos para o mirante da Marina Badauê, onde em tese, veríamos golfinhos nadando. E não é que vimos algumas sombras e barbatanas?
Nosso equipamento fotográfico, não produziu bons resultados. Com um pouco de boa vontade, aí estão eles.

barbatana-de-golfinho-em-pirangi

Seguimos embarcados para alguns mergulhos na barreira de coral de Piranji, chamada de Parrachos Piranji distante 1200 metros da costa.

piscinas-de-corais-de-pirangi

A expectativa de ver golfinhos era grande. Pegamos o carro que alugamos e seguimos para Tibau do Sul. Lá embarcamos novamente para visitar a tão famosa Baía dos Golfinhos. O mar estava bem agitado, embora o tempo estivesse bom. Prenuncio de alguns enjoos a bordo, mas nada que prejudicasse o passeio.

baia-dos-golfinhos-1baia-dos-golfinhos-2

Mais uma vez vimos um solitário golfinho marcando presença.

golfinho-na-baia-dos-golfinhos

Conversando com os locais, fomos consolados pela pouca ou quase nenhuma presença deles. Na verdade não há uma época ideal para observá-los. Mais um motivo para retornar.

praia-da-pipa-molhando-o-bico

Dito isso, aproveitamos o resto do dia na Praia da Pipa. Sol, praia, petiscos e cerveja bem gelada. O que não faltam são opções de bares para sentar e relaxar.

As interessantes formações rochosas do lugar são um destaque a parte, além de água clara e morna. As pedras lembram uma área coberta por lava vulcânica, que foi sendo aos poucos quebrada e reposicionada pelo mar e pelos ventos.

praia-da-pipa-formacoes-rochosas-1praia-da-pipa-formacoes-rochosas-2

praia-da-pipa-formacoes-rochosas-3praia-da-pipa-formacoes-rochosas-4

O por do sol vem para fechar o dia com preguiça e beleza.

 praia-da-pipa-entardecer

praia-da-pipa-relaxandopraia-da-pipa-por-do-sol

Vida de turista é mesmo difícil. Hoje vamos fazer o tradicional passeio de bugre à Genipabu, tendo pelo meio do caminho o Aerobunda, o Esquibunda, lagoa e encerramento do dia em Muriú, com seu mar azul, suas jangadas,… Dia fantástico.

genipabu-de-bugre-pelas-dunas

genipabu-dunas-e-praiagenipabu-dunas-e-praia-2

O animal como atrativo turístico é algo que nos incomoda muito, mas ainda é uma prática muito comum, ainda mais em se falando de nordeste. O sol forte, as condições desfavoráveis, e os dromedários e jumentos parados naquele ambiente hostil, com pouca assistência, aguardando a hora de fazer força para transportar turistas desconectados de seus sofrimentos. Nós não compactuamos com essa forma de turismo.

genipabu-burricogenipabu-dromedarios

O aerobunda e o esquibunda são um sucesso. O difícil é parar de pedir bis, e bis, e bis. rssss

 genipabu-aerobunda

O esquibunda demanda um certo controle com as mãos, para se manter sobre a pequena prancha, até a água. De outra forma, vai virar empanado.

genipabu-esquibunda

Aproveitamos todo o resto do dia calangueando, bebericando e petiscando na Lagoa e na Praia de Genipabu, com suas jangadas e amigos que fizemos durante o passeio.

genipabu-lagoagenipabu-jangada

genipabu-amigos

Para contratar passeios para Genipabu, veja aqui antes.

Hoje, colocamos o carro na estrada e seguimos na direção de Tabatinga, para passar o dia na Lagoa de Arituba. Outro delicioso lugar para permanecer o dia todo, 35 kms distante de nossa base.

lagoa-de-arituba-panoramica

lagoa-de-arituba-relaxando

Em Natal você não pode acelerar sua visita, passando rapidamente por suas belezas. Imagine visitar Barra do Punaú (76 kms de Natal) com pressa?! Impensável não?
Reservamos o dia inteiro só para essa beleza de lugar. A combinação de rio, dunas, coqueiros e mar nos pareceu única. Aliás essa é a sensação a cada recanto deste lindo estado. As fotos falam por si. Dica de uma boa operadora para levar você à Punaú, veja aqui.

barra-do-punau-natal-1

barra-do-punau-natal-2barra-do-punau-natal-3

barra-do-punau-natal-4

barra-do-punau-natal-5barra-do-punau-natal-6

barra-do-punau-natal-7barra-do-punau-natal-8

barra-do-punau-natal-9

Barra do Punaú é ou não, um lugar especial?

Juntamos um grupo que também estava em visita em Punaú, e resolvemos seguir para mergulhar nas piscinas naturais que se formam na maré baixa, por sobre a barreira de coral em frente à praia de Maracajaú (26kms). E a cor da água????

maracajau-piscinas-naturais-1maracajau-piscinas-naturais-2

maracajau-piscinas-naturais-3

Próxima atração?? Galinhos, distante 160 kms de Natal. Fechamos com uma operadora de turismo (não recordamos mais o nome) e fomos inseridos num grupo. O nordestino tem, no bom humor, uma característica quase que genética. Nosso guia motorista foi também um comediante dos bons, fazendo a estrada passar sem que por nós fosse notada.
Galinhos combina também a beleza das dunas, do rio e do mar. O vento aqui é intenso. Fizemos uma pequena navegação pelos canais que recebem a água do mar até atingir a ponta da península. Nosso receptivo foi a Pousada Brésil Adventure.

galinhos-navegacao-2galinhos-navegacao-1

A vila de Galinhos, território de pescadores profissionais é a representação da tranquilidade. Quer um taxi? Chame a carroça.

galinhos-taxi-carrocagalinhos-Igreja-jandaira

galinhos-vento-areia-e-ceu

A fotos acima dá uma clara ideia da movimentação intensa da areia pelo vento. Até quase 40 cms de altura, beirando os joelhos, o impacto da areia é bem forte. Cuidado então se levar crianças pequenas. Mantenha-as no colo.

galinhos-dunas

galinhos-ponta-da-peninsula-1galinhos-ponta-da-peninsula-2

Fechando a viagem reservamos o último dia para uma esticada até João Pessoa (186kms), na vizinha Paraíba. Fizemos um breve tour pelo centro velho da cidade, com toda a sua história, prédios e casarios bem conservados, muito coloridos e arejados.

joao-pessoa-centro-velhojoao-pessoa-centro-velho-2

joao-pessoa-igreja-1joao-pessoa-igreja-2joao-pessoa-igreja-3

Fomo ao extremo oriental do país (ponto mais próximo do continente Africano), na também conhecida como ponta do Seixas, onde fica o farol do Cabo Branco.

joao-pessoa-extremo-oriental-1

joao-pessoa-extremo-oriental-2joao-pessoa-farol-cabo-branco

Tartarugas-urbanas

Nosso guia comediante também tinha bons contatos em João Pessoa. E nós muita sorte de estar ali exatamente naquele dia. O Projeto de Proteção das Tartarugas de João Pessoa, que ocorre numa praia urbana (praia dos Macacos) vinha monitorando e protegendo ninhos com previsão de eclosão imediata, e nos permitiu acompanhar a libertação dos filhotes. Foram momentos únicos. A proteção dos ninhos é feita por voluntários e moradores, que dia e noite montam guarda contra animais e curiosos, garantindo o máximo possível de filhotes retornando ao mar.

joao-pessoa-tartarugas-urbanas-1

Durante o procedimento de abertura dos ninhos, os pesquisadores e biólogos ajudam os filhotes a se liberar da casca, reduzindo a perda de energia desta fase, que será muito necessária na chegada ao mar e na sua sobrevivência. As crianças e adolescentes acompanham todo o processo com atenção e curiosidade, entendendo a importância da preservação, já que no ano seguinte, as tartarugas retornarão ao mesmo lugar para nova desova.

joao-pessoa-tartarugas-urbanas-2joao-pessoa-tartarugas-urbanas-3

joao-pessoa-tartarugas-urbanas-4joao-pessoa-tartarugas-urbanas-5

O fechamento do dia e de toda nossa viagem não poderia ser melhor. Nosso guia nos levou à praia do Jacaré, distrito de Cabedelo, para derrubar algumas cervejas, comer um peixe à moda e assistir ao por do sol ouvindo o bolero de Ravel executado no sax e violino. Evento tradicional que já tem algumas repetições e clonagens espalhadas pela região, tal o sucesso que faz entre os turistas.

joao-pessoa-bolero-de-ravel-1

joao-pessoa-bolero-de-ravel-2joao-pessoa-bolero-de-ravel-3

joao-pessoa-bolero-de-ravel-4

E assim nos despedimos de Natal e João Pessoa, cidades hospitaleiras, receptivas e que veem o turista com respeito e cidadania. Nos dois filmes a seguir, um pouco mais do que vimos e o que fizemos nesta deliciosa viagem com a trilha sonora sugerida pelo nosso Guia comediante.

 

  • Para ver todos os pontos visitados nesta viagem, baixe aqui o arquivo .kmz, para abrir no Google Earth.
  • Transfer in/out em Natal, consulte antes aqui.
  • City Tour em Natal, veja nossa sugestão aqui.

18 Comments

  1. Carlos, Gleidys e Fredy novembro 28, 2016
  2. Carlos, Gleidys e Fredy novembro 28, 2016
  3. Carlos, Gleidys e Fredy novembro 28, 2016
  4. Carlos, Gleidys e Fredy novembro 28, 2016
  5. Carlos, Gleidys e Fredy novembro 28, 2016
  6. Carlos, Gleidys e Fredy novembro 28, 2016
  7. Carlos, Gleidys e Fredy novembro 28, 2016
  8. Carlos, Gleidys e Fredy novembro 28, 2016

Deixe um comentário