Caraíva, onde o rio encontra com o mar - Porto Seguro, Bahia

caraiva-rio-e-mar-1

Relembrando fevereiro/2010 – voltar a Bahia é sempre um imenso prazer. Desta vez apontamos nossa proa para Caraíva. Uma localidade plantada no encontro do Rio Caraíva com o mar ao sul de Porto Seguro, onde tudo gira em torno do movimento das marés, do sol e do vento.
Quando chegamos a Arraial da Ajuda, descobrimos que os índios Pataxós haviam bloqueado a estrada, logo na saída da cidade, em repúdio a atividades da polícia civil contra um integrante da tribo, aparentemente envolvido com o tráfico de drogas. Pesquisando com os locais, descobrimos um desvio por terra, passando pela praia do Pitinga, que resolveria nosso problema. Veja mais… […]

Seguimos uma Kombi que tinha o mesmo destino e mapeamos (key points final do post) todo o trajeto (1h15m) para utilizar no futuro. Esses bloqueios não são raros de acontecer. Por sorte não havia chovido no dia anterior, o que facilitou vencer as muitas subidas, descidas, desvios e pontes precárias do percurso de terra. Enfim chegamos ao Rio Caraíva, onde nos separamos do carro, seguindo em canoa até o outro lado (R$2,00 por pessoa). Deixamos o carro sob os cuidados de um morador local, estacionado dentro de sua residência, por razoáveis R$5,00 ao dia.

caraiva-travessia-de-canoachegando-a-caraiva

Desembarcados, com 2 mochilas e uma mala, fizemos uso de um carrinho de mão para vencer os 700 metros de areia até a pousada Cores do Mar. Nosso apartamento, de frente para a praia, saiu por R$ 140,00 o casal + café da manhã. Fomos recebidos pelos proprietários, Maria e Nengo. Nada a reclamar sobre a pousada. Muito limpa, agradável e com um café espetacular.

caraiva-cores-do-mar-pousadacaraiva-cores-do-mar-pousada-frente-praia

Aproveite a caixa de pesquisa do Booking abaixo, e encontre uma pousada ou hotel em Caraíva, com a promoção que cabe no seu bolso.

Booking.com

Aproveitamos o entardecer para andar pela praia e planejar o dia seguinte.
Jantamos no recomendado restaurante Culinária Central, logo atrás da pousada, que também passamos a recomendar. Excelente comida, incluindo o saudoso feijão com arroz e salada. O ambiente é tipo pé na areia, muito descontraído e bem apropriado ao lugar.

O dia de hoje estava planejado para descer o Rio Caraíva de boia, aproveitando a maré vazante. Para isso seria necessário subir o rio, de lancha por 3 kms, até o cais de lançamento das boias. A Maria, proprietária de nossa pousada, chamou o Nandi para fecharmos o passeio. Como ela mesma disse, o Nandi era um orientador de turismo menos “ruidoso” que os demais. De fato, foi muito atencioso, educado e interessado em nossa satisfação e não somente em nosso dinheiro. Na Bahia, os baianos não olham para seus olhos antes de seu bolso. Levem isto a sério. Eles vão dar a volta em você na primeira oportunidade.

caraiva-passeio-de-boiaNosso piloto foi o Tigê, índio Pataxó muito simpático, que mostrou o rio na visão do nativo. Subimos o rio até deixarmos o manguezal e entrar na área de floresta atlântica. Decidimos subir mais um pouco (2,5 kms) até um desvio artificial construído por escravos, para diminuir o tempo de escoamento das toras de madeira. O conhecimento do Tigê sobre plantas e ervas mais a história de seu povo, completou e deu conteúdo ao passeio.
Retornamos ao cais para iniciar nosso retorno de boia. Descemos o rio por mais de hora, desfrutando de muita paz e calma, aproveitando para observar as margens com mais detalhe. O fluxo da maré vazante era bem lento. Muito agradável.

caraiva-iniciando-passeio-bioas

caraiva-prainha-passeio-de-boiacaraiva-subindo-o-rio-caraiva-1

caraiva-subindo-o-rio-caraiva-2caraiva-subindo-o-rio-caraiva-3

caraiva-cervejando-no-varandao

Já quase chegando ao destino, fizemos uma parada na margem esquerda e subimos uma pequena trilha até o mirante chamado de Varandão, onde se pode avistar a cidade de Caraíva quase por completa. Leve dinheiro para tomar uma cerveja no restaurante. Boiamos até a base das lanchas, onde se encerrava o passeio. Custo R$ 35,00 cada. O passeio de boia sem a subida extra de rio que fizemos, sai por R$ 20,00 cada.
Aproveitamos a carona na lancha do Tigê e saltamos na margem esquerda do rio, para andarmos pela praia até um local chamado de Lagoa do Satú. Num percurso de 4 kms pela praia, chegamos a um braço de mangue de águas muito quentes, que é chamado de lagoa. Vai entender porque?? Parece que Satú é o nome de um dos proprietários daquela área!!

caraiva-lagoa-do-satucaraiva-lagoa-do-satu-2

caraiva-restaurante-mangaba

Enfim, valeu pelo passeio. O azul do mar neste dia estava especial, a água morna e o sol incandescente. Jantamos no restaurante chamado de Mangaba. Outra recomendação que também repassamos. Além da boa comida, a atenção dispensada a nós foi de notar.
Claro que o fato de não viajarmos em alta temporada facilita esta dedicação, mas preferimos acreditar que eles são de fato muito atenciosos.

caraiva-barco-agua-marinha

O terceiro dia estava já planejado. Visita à Praia do Espelho. O Nandi nos encontrou no café da manhã, e nos acompanhou até o embarque no cais. Pegamos o barco Água Marinha, comandado pelo marinheiro de convés Neves. Ao preço de R$ 50,00 cada, seguimos de barco até a praia do Espelho, passando antes pelos arrecifes de Tatuaçu para mergulho de observação. Com a maré ainda alta, a lâmina de água tinha mais de 2 metros, dificultando em muito a visão dos corais e dos peixes.
Sem muito o que ver, seguimos para a praia do Espelho. Muito bonita, com destaque para as falésias de areias coloridas e a cor do mar de águas mornas. Depois de muito andar e nadar, retornamos a Caraíva. Percurso de 40 minutos de navegação costeira com a companhia de dois golfinhos num momento tão rápido, que não deu chance para nossas câmeras.

caraiva-praia-do-espelhocaraiva-praia-do-espelho-falesia

caraiva-praia-do-espelho-2caraiva-praia-do-espelho-3

Depois de muito andar e nadar, retornamos a Caraíva. Percurso de 40 minutos de navegação costeira com a companhia de dois golfinhos num momento tão rápido, que não deu chance para nossas câmeras. Depois do banho de água doce, saímos para andar até a parte alta de Caraíva, conhecemos a igreja local, cujo padroeiro é São Sebastião. Um lugar muito especial, pé na areia, como pode-se ver nas fotos a seguir. Jantamos novamente no Mangaba.

caraiva-igrejacaraiva-igreja-2

caraiva-mercadinhocaraiva-praca-central

caraiva-navegando-para-corumbal

Para o quarto dia programamos ir até a Ponta do Corumbal. R$ 60,00 cada. Como o grupo era praticamente o mesmo, nós alteramos a ordem das coisas, e de acordo com a maré, invertemos o andamento. Fomos primeiro conhecer a praia e a restinga, para depois então ir mergulhar nos arrecifes de coral Corumbal, já com a maré bem baixa.  No caminho, tivemos uma bela vista do Monte Pascoal. A praia de Corumbal nos pareceu muito mais bonita que a do Espelho, a despeito dos rankings patrocinados pelas revistas de turismo.

caraiva-ponta-do-corumbal-1

caraiva-ponta-do-corumbal-3caraiva-ponta-do-corumbal-2

A ponta de areia que cresce em direção ao mar, conforme a maré recua, é o ponto alto. Boa estrutura de apoio, com pratos muito bem servidos. Lá comemos ostras recomendadas, que acabavam de chegar e um peixe chamado de Budião. Vimos seus cardumes no mergulho dos arrecifes.

caraiva-ponta-do-corumbal-4caraiva-ponta-do-corumbal-5

Voltamos no fim da tarde para Caraíva, num percurso de 50 minutos de navegação costeira, com algum balanço extra, conduzidos outra vez pelo Neves, na mesma embarcação.  Repetimos o jantar no Culinária Central, variando o cardápio.

caraiva-caiaque-rio-jambreiro

Nosso quinto e último dia em Caraíva foi dividido em remar um caiaque duplo pelo Rio Jambreiro, que deságua no Caraíva (R$ 15,00 a hora). Por ser bem estreito, permite observar a vida do manguezal com muita facilidade.

E depois mais um mergulho nos arrecifes de Tatuaçu, desta vez no horário correto. Pegamos uma lancha pequena e saímos para o mar com o Nandi e o Neves, que sabiam com precisão os melhores pontos para observar os corais e a vida marinha dali. Algumas tartarugas marcaram presença também. A variedade de peixes no arrecife era grande, mas os Budiões eram a maioria.

caraiva-caiaque-rio-jambreiro-2

Retornamos para a pousada e fechamos as mochilas. Voltamos para o carro e seguimos para Arraial D´Ajuda. Nossa nova pousada Recanto do Sol (R$ 75,00 o casal – completo com café). Bem mais barato que Caraíva, mas note-se que o primeiro quarto cheirava muito a mofo. Impossível de ficar. Já o segundo não tinha cheiro, mas o ar condicionado precisava de 3 horas para fazer efeito e o café da manhã era o “basicão”. Ficaram as saudades dos pães, doces caseiros e dos sucos de mangaba e cupuassu da Maria do Cores do Mar em Caraíva.
Banho tomado, saímos para passear a noite pelo quadrado de Trancoso, pensando onde comer. Seguindo as recomendações da pousada, caímos na primeira roubada. Não comam no Portinha, mesmo que orientados. Depois de muita dor de barriga e desarranjo, descobrimos que este self-service mudou de dono. Não pertence mais ao mesmo dono do Portinha de Arraial da Ajuda. Eu comentei comigo mesmo, que havia muita comida exposta para uma Trancoso bem vazia, mas acabei não me ouvindo. Deu no que deu. Uma noite mal dormida e um dia seguinte dos horrores.

Mesmo duvidando se iríamos conseguir passear sem contratempos intestinais, saímos para andar e aproveitar nosso último dia (sexto). Visitamos a Igreja de São Benedito no quadrado de Arraial D´Ajuda, descemos para a praia dos Nativos e tocamos em direção ao Rio da Barra, uns 4 kms adiante pela orla, já em Trancoso.

arraial-dajuda-praia-dos-nativos

arraial-dajuda-praia-dos-nativos-2

Cruzamos o braço de mangue do Rio Trancoso no fim da maré vazante e chegamos no Rio da Barra, já na maré montante. Ambientes de rio e mar muito especiais.

arraial-dajuda-mangue-rio-trancoso-2arraial-dajuda-mangue-rio-trancoso

arraial-dajuda-rio-da-barra-1arraial-dajuda-rio-da-barra-2

Paramos no quiosque e restaurante Rio da Barra, para descansar da caminhada e tomar uma gelada. Lá conhecemos a Tchara, uma atendente espanhola que ratificou a história do restaurante Portinha. Pedimos uma porção de Bruschetta (torrada com queijo derretido, tomate e orégano) e ficamos ali por algumas horas apreciando o encontro do rio com o mar, até pegarmos o caminho de volta para a pousada.

arraial-dajuda-rio-da-barra-5arraial-dajuda-rio-da-barra-3

arraial-dajuda-rio-da-barra-4

Vencida a distância de 5 kms de areia na volta, com sol e travessias nos canais de maré, vieram o banho e o descanso merecidos.

silvana-e-cia-arraial-dajuda

A noite, saímos para decidir onde comer e comprar algumas lembranças. Desta vez decidimos jantar no Restaurante Silvana & Cia. Ótima e acertada opção. Fica logo no começo do quadrado, do lado direito. Atendimento muito educado, preços bem honestos, cerveja gelada e caipivodka no ponto certo. Os pratos de frutos do mar são o destaque.
Lá encontramos um casal amigo (Alex e Priscila), nossos companheiros de passeios, que conhecemos em Caraíva. Ali encerramos nosso dia.

amigos-em-arraial-restaurante-silvana

Nosso sétimo dia foi dedicado a andar pela praia dos Coqueiros, Trancoso, durante a maré baixa, que por estarmos em lua cheia, estava em sua maior amplitude.

trancoso-praia-dos-coqueiros-1trancoso-praia-dos-coqueiros-2

trancoso-praia-dos-coqueiros-3trancoso-praia-dos-coqueiros-4

Voltamos cedo, fechamos nossa conta e viramos a proa para Porto Seguro. Ficamos hospedados no Hotel Porto Real (R$ 70,00 completo), bem próximo da Passarela do Álcool e do embarque para o passeio de Recife de Fora. Depois de acomodados, almoçamos no Mirage, bem ao lado (self service mais ou menos). Na dúvida, comemos macarrão e arroz (enfim, pra que arriscar?). Descansamos um pouco e saímos para comprar lembranças e rever a passarela do álcool. Muito diferente de 9 anos atrás (2001). Não arriscamos comer por ali. Antes de dormir, passamos no SubWay e preparamos uns sandubas bem sadios.

Nosso último dia de viagem estava reservado para revisitar Recife de Fora. Logo cedo (7:30h) pegamos o barco e seguimos mar adentro. Trinta minutos depois já desembarcávamos nos arrecifes. Pudemos ver que o cuidado com o pisoteamento  e a reserva de áreas específicas para turismo vem sendo discutido desde o embarque. recide-de-fora-trancoso4
No local, voluntários não remunerados tratam de orientar os turistas quanto ao comportamento ideal e os objetivos do cuidado. Fazem um trabalho de apresentação da vida marinha, identificando espécimes e descrevendo seu modo de vida. Nesta oportunidade o projeto do qual participavam estes voluntários era o Coral Vivo
.
Pudemos verificar que a vida marinha ainda é bem abundante. Muitos peixes mesmo. Grande parte em cardumes, que ficam aprisionados nas piscinas, aguardando a maré alta.

recide-de-fora-trancoso

recide-de-fora-trancos2recide-de-fora-trancos3

Aproveitamos a tarde para conhecer a parte alta, área histórica de Porto Seguro, seu casario, Igreja, e o marco do descobrimento com uma interessante cronologia da bandeira nacional. Para ver clique aqui.

porto-seguro-cidade-alta-1porto-seguro-cidade-alta-2

porto-seguro-cidade-alta-3porto-seguro-cidade-alta-4

Acabou-se o que era doce. Dia seguinte, logo cedo, tocamos para casa, no Rio de Janeiro.
Todas as coordenadas dos atrativos visitados nessa viagem estão neste arquivo.kmz, que pode ser aberto diretamente no Google Earth.

O que mais fazer na região de Porto Seguro?

Até breve.    Siga-nos nas redes sociais

         Siga-nos no Twitter Veja nosso canal no YouTube Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Instagram Siga-nos no Google+


RECOMENDAMOS PARA VOCÊ A LEITURA ABAIXO

Natal e João Pessoa, pérolas do nordeste Brasileiro
Ilha Grande – Angra dos Reis – RJ – 9 dias de trilha ao redor da ilha
Visitando as Gerais – Tiradentes, Capitólio, Delfinópolis e Ouro Preto

Aproveite que está aqui, cadastre abaixo seu e-mail em nosso Feed de notícias e receba gratuitamente, todas as atualizações deste blog.

 

Gostou de nosso equipamento? Aproveite e conheça mais sobre a Camper Duaron, clicando no banner a seguir. Venha para a estrada conosco.

duaron-logo-400[6]

18 comentários:

  1. Gente, quanto lugar maravilhoso, não sei nem de qual comentar! A praia do espelho parece sensacional, não posso deixar de conhecer quando voltar para essas áreas! Conheço só Trancoso, mas o dia estava tão nublado quando fui que não gostei muito :/

    ResponderExcluir
  2. Que delícia! Não conheço a Bahia e adorei o roteiro de vocês, são sempre muito completos. Fiquei babando nessa Bruschetta *-*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rssss. Essa foto da água na boca mesmo. hummmm . Obrigado pela visita.

      Excluir
  3. Gente, tem lugar melhor do que a Bahia?! Sempre que viajo pra lá ou leio um post como esse me faço essa pergunta... Costumo dizer que eu saio da Bahia, mas a Bahia não sai de mim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsssss. Isso mesmo Bianca. É o destino certo para ótimas surpresas. Obrigado pela visita.

      Excluir
  4. Carlos, adorei o post. A Bahia é um estado com opções para todos os gostos. Não lembro de ter visitado ao menos uma praia que não tenha gostado. Esta ainda não conheço, mas pretendo ir.

    ResponderExcluir
  5. Que experiência incrível, e quantos lugares lindos! Que delicia descer o rio de boia, aqui no PR fazemos isso em Morretes (vocês devem conhecer tbm), uma delicia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conhecemos sim. Aliás somos apaixonados pelo sul. Obrigado pela visita.

      Excluir
  6. Como nosso Brasil é lindo! Da Bahia só conheço Salvador, por enquanto. Me animei com seu post. Gosto de roteiros assim, com várias atividades!

    ResponderExcluir
  7. Que post mais lindo. Amo a Bahia já estive em Porto Seguro a muitos anos atrás, agora que entrei pro mundo dos blogs estou louco pra voltar registrar tudo. Vocês deram ótimas dicas

    ResponderExcluir
  8. Suas viagens são sempre sensacionais, invejáveis. Caraíva é um paraíso mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Adriana. Somos fãs de suas viajandanças por este mundo também. Vc tem um texto muito agradável e cativante.

      Excluir
  9. Que paisagens maravilhas, Bahia sempre linda.

    ResponderExcluir