Mostrando postagens com marcador outdoor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador outdoor. Mostrar todas as postagens

Barraca flutuante, último lançamento da SmithFly

barraca-flutuante-smithfly-1outubro/2017 – aqui por nossas bandas é raro encontrar um camping que ofereça um lago tranquilo para que se possa usufruir da nova barraca da SmithFly.
Batizada de Shoal Floating Tent, é a primeira barraca que flutua, de acordo com o fabricante.
Instalada sobre uma base inflável, pesa em torno de 34 quilos. Tem 2,4 metros de cada lado e altura central de 1,9 metros. As primeiras unidades saem da fábrica em dezembro deste ano, ao custo de €1270,00 ou R$4830,00. Veja mais… >>>

Cachoeira Véu da Noiva, Parnaso, sede Petrópolis

cachoeira-veu-da-noiva-parnaso-petropoliscachoeira-veu-da-noiva-parnaso-petropolis-2outubro/2017 – uma trilha de dificuldade técnica baixa, de fácil orientação, com duração de 1 a 2 horas (ida), que te leva a vários poços no leito do Rio Bonfim e termina na linda cachoeira Véu da Noiva, com 40 metros de queda e um agradável poço de águas transparentes.
A distância aproximada é de 4 kms e pode ser aproveitada durante o ano todo, sendo que no verão, fica com o volume de água maior, por conta da temporada das chuvas.
Tudo começa na portaria do Parque Nacional da Serra dos Órgãos, sede Petrópolis, que fica no bairro Bonfim, em Correas (veja coordenadas no fim do artigo). Veja mais… >>>

Projeto Montanha para Todos

outubro/2017 – Todos que nos acompanham sabem que nossa paixão pelas montanhas e pelo montanhismo, em todas as suas formas, é muito grande.
Dia destes fomos apresentados ao “Projeto Montanha para Todos” que muito nos emocionou e, de imediato, ganhou nossa atenção e engajamento.
Conduzido, aqui na região serrana, pelo Grupo Trilhas na Serra e tendo como patrono o CEP – Centro Excursionista Petropolitano, o projeto tem por objetivo adquirir uma cadeira adaptada e trazer para nossas lindas montanhas as pessoas com necessidades especiais. Veja mais… >>>

Costão do Pão de Açúcar, Urca - RJ

enseada-da-urca e botafogo

abril/2017 – a trilha do Costão do Pão de Açúcar é uma das unanimidades de beleza no Rio de Janeiro. Nos 5 anos que moramos na Urca, subimos mais de 5 vezes, levando amigos para dividir esse prazer e visual.
O tempo médio de ida e volta é de 3h30min. A trilha é considerada de nível médio, por conta da constante subida e requer conhecimentos de escalada para vencer o difícil lance de 20 metros (classificado em 3º grau), que já resultou em alguns acidentes. Desde que bem acompanhado, é só diversão. Veja mais… […]

Cachoeira dos Frades, Teresópolis

abril/2017 - Ponto turístico que vale a pena ser visitado. A cachoeira é grande, com poções generosos, muitas hidros vigorosas e bem servida de sol. O acesso se dá a partir da estrada Tere-Fri (Teresópolis-Friburgo – RJ-130).
Coordenadas Geográficas ao fim deste post, vão ajudar o seu posicionamento. Carregue as coordenadas no GPS de seu carro e siga tranquilo.
Saindo da Tere-Fri, você vai rodar 4 kms de terra em boas condições, até alcançar a cachoeira. Encoste muito bem seu carro, feche os retrovisores (tráfego de caminhões da fábrica de água mineral), pegue seu lanche e desça até a cachoeira. Veja mais… […]

Cachoeiras do Horto Florestal, Rio de Janeiro

Cachoeira do Chuveiro

abril/2017 - Para fugir do calor de 40 graus, das praias lotadas, do mar gelado e da confusão, fomos conhecer algumas das cachoeiras do Horto Florestal, dentro do Parque Nacional da Tijuca. Programa que inclui uma agradável caminhada por trilhas bem marcadas dentro da Floresta Atlântica.
Saindo bem cedo, fomos direto para a cachoeira dos Primatas, subindo a Rua Lopes Quintas no Bairro do Jardim Botânico, e seguindo até o fim da Rua Sara Vilela, onde é possível estacionar o carro. Veja mais… […]

Visconde de Mauá, Maringá e Maromba no Rio de Janeiro

visconde-de-maua-em-2-rodas

relembrando 2003 e 2009 – nossa paixão pela região de Visconde de Mauá, Maromba e Maringá é antiga. Chegamos mesmo a manter um chalé alugado pelo ano inteiro em Maringá.
Seja no inverno ou no verão, o charme do lugar é o maior atrativo. A natureza, representada pelas muitas e lindas cachoeiras, é a razão principal da grande procura pelos turistas do Rio de Janeiro, Minas e São Paulo. Veja mais… […]

Cachoeira da Barreira e Rogério´s Restaurante, Guapimirim

cachoeira-da-barreira-guapimirim

março/2016 – que tal uma cachoeira na Serra dos Órgãos, sem cobrança de acesso e tendo por perto o Rogério´s Restaurante para um almoço de comida mineira para quando a fome apertar?
Faz muito que tínhamos notícia desta cachoeira, mas a oportunidade ainda não havia se formado. Fica fora das fronteiras do PARNASO (Parque Nacional da Serra dos Órgãos), de forma que não há taxas ou ingressos. Muito visitada pelos moradores de Guapimirim. Veja mais… […]

Carrancas – Minas Gerais

Marco Estrada Real

relembrando agosto/2012 - Saímos de Aiuruoca cedo, com destino final em Carrancas-MG. Decidimos rodar pela antiga Estrada Real.  Este trajeto não aparece nos programas de GPS automotivos. Imagino os motivos em razão do percurso ter sido considerado muito rústico.
O fato é que, nas minhas pesquisas, encontrei relatos diferentes, dando a este trecho da Estrada Real uma qualidade de piso muito bom. A extração de madeira de reflorestamento na região, fez com que os empresários investissem na estrada, para permitir o escoamento da produção. Veja mais… […]

Ilha Grande – Angra dos Reis - RJ

ilha-grande-11-dias-230

Relembrando março/2000 – Esta semana na Ilha Grande foi planejada para ser feita por trilhas e acampamentos, percorrendo toda a ilha. Fizemos uma programação baseada no circuito anti-horário, diferente do que normalmente é feito. No mapa, mais adiante no texto, está desenhado o circuito que realizamos com início e fim na Vila do Abraão.
Fica o aviso aos leitores que essa investida ocorreu no ano de 2000, quando era permitido acampar em quase toda a extensão da ilha. Hoje (2016), são poucas as áreas de camping permitidas e muitas praias estão com acesso bloqueado, em defesa do meio ambiente. Veja mais… […]

ilha-grande-circuito-trilha-1
Para obter este mapa em alta, clique aqui.

  • Vermelho – as trilhas que fizemos a pé
  • Roxo – as incursões “bate e volta” que fizemos após montar acampamento
  • Amarelo – deslocamentos embarcados
  • Magenta – acampamentos com pernoite

mochilas-arrumadas-para-11-dias-ilha-grande

Nossa estratégia previa levarmos tudo que fosse necessário, incluindo comida, para todos os dias. Não tínhamos certeza de onde poderíamos reabastecer.
Portanto, a carga foi mais do que a necessária, mesmo assim, muito bem arrumada dentro de 2 mochilas (obra da Gleidys).
De início, estávamos carregando 30 quilos cada um, que nos pareceu razoável a primeira vista. Dirigimos do Rio até Mangaratiba, onde estacionamos nosso carro em área paga, com alguma segurança incluída, muito embora tenham havido poucos casos de furtos, já que é certo que seus donos vão demorar muito para retornar. Conhecemos 4 opções para deixar o carro. Clique aqui, ligue, confira as tarifas e faça sua escolha.

Embarcamos para a travessia até a ilha, no cais de Mangaratiba. Hoje a operação é de responsabilidade da CCR. As barcas tem capacidade para até 500 passageiros, o valor da passagem atualmente (set/2016) é de R$15,00. Para saber os horários, clique aqui. Um projeto de ordenamento está em fase de licitação, que deve, à partir de janeiro/2018, cobrar pela entrada na ilha e limitar em até 500 mil visitantes ano.

primeiro-dia-ilha-grande

1º DIA – Chegamos em Abraão e fomos direto para o Camping do Palmas (amigo dos tempos do paraquedismo) que, aparentemente, não existe mais. Ali deixamos alguns itens desnecessários na trilha (chaves e documentos do carro,…).
Antes de iniciar nossa trilha, fizemos uma incursão bate-volta (6kms), para conhecer as ruínas do aqueduto e a cachoeira Feiticeira. O calor já deixou claro como seriam os dias que tínhamos pela frente. Nada mais adequado que começar com um bom banho de cachoeira.

aqueduto-ilha-grandecachoeira-veu-da-noiva-ilha-grande

Equipamos e seguimos para nosso primeiro acampamento, planejado para o lugar chamado de Saco do Céu (5,3kms). Hoje não é mais permitido acampamentos no lugar. Montamos barraca embaixo das árvores na praia de Fora. Existem outras como a da Caravela e do Amor. O lugar é rico em vida marinha e manguezais.

vista-do-saco-do-ceu-ilha-grandebanho-de-mar-saco-do-ceu

Ali viviam poucos moradores tendo a pesca como meio de sobrevivência. Hoje a economia é baseada no turismo, conta com energia elétrica, pequeno mercado, escola e posto de saúde. A gastronomia também é destaque atualmente. As águas  tranquilas, garantem a presença de muitas lanchas, barcos e veleiros de todo tamanho.

praia-de-fora-saco-do-ceu-ilha-grandeencontro-rio-e-mar-saco-do-ceu-ilha-grandeamizades-saco-do-ceu-ilha-grande

Um dos grandes prazeres da Ilha Grande é o frequente encontro da água doce com a salgada. Mantendo nossa prática de deixar amigos por onde passamos, registramos a hospitalidade de D. Teresa e sua filha Olívia. Até a próxima Saco do Céu.

segundo-dia-ilha-grande

2º DIA – A trilha que pegamos não é oficial.  É usada pelos locais para cruzar direto para Bananal (5,5kms), sem fazer o contorno por Freguesia de Santana. Essa situação persiste até hoje.
Em razão da pouco ou quase nenhuma marcação, você precisa estar bem atento aos detalhes. Nessa época não tínhamos GPS ou celular com navegador. A orientação foi visual e por bússola. Essa trilha tem uma elevação de 280 metros por 5,5 kms de extensão e pode ser classificada de nível médio em esforço.

largada-do-segundo-dia-ilha-grandetrilha-entre-saco-do-ceu-e-bananal

Em Bananal alugamos um barco para visitar e mergulhar na Lagoa Azul (4,6kms) e relaxar da trilha que foi um pouco tensa por conta das incertezas de rumo.

de-barco-entre-bananal-e-lagoa-azullagoa-azul-mergulhando-ilha-grande

Na volta, seguimos de barco direto para Ubatubinha (8,3kms), onde pretendíamos acampar e passar a noite. Quando lá chegamos, fomos surpreendidos com um reduto de ricos com seus lanchões. Até para conseguirmos um atendimento respeitável no restaurante foi difícil. Depois de muito aguardar por uma cerveja, percebemos que não éramos bem recebidos ali. E de fato não nos sentimos bem. acampados-em-praia-longa
Mesmo com fome e cansados, reequipamos e tocamos adiante, até Praia Longa (2kms), onde pudemos ter tranquilidade para montar nossa barraca.
Ali tivemos paz e mais uma vez, tínhamos ao nosso lado um encontro de água doce com água do mar.
A Gleidys passou a noite preocupada com a possibilidade da maré subir e nos pegar de surpresa, já que a faixa de areia era muito curta. Por mais que essa hipótese estivesse mapeada e descartada, nada aliviou sua preocupação. oops

terceiro-dia-ilha-grande

3º DIA – Partimos para nosso terceiro dia, com o trajeto bem mais reduzido por conta da furada em Ubatubinha, relatado acima.
A trilha até Praia Grande de Araçatiba (2,6kms) ficou bem pequena, o que acabou sendo muito positivo pelas razões que contamos mais adiante.
Chegando em Praia Grande fomos muito bem recebidos pelos locais. Acampamos dentro do quintal de um morador, em frente a praia, com acesso a prato feito, banheiro e bom papo.

largada-do-terceiro-dia-ilha-grande

Como estávamos bem descansados, resolvemos fazer o bate volta à Gruta do Acaiá (4,6kms). Livres de peso, tocamos para nosso destino.
Não sabíamos que a subida para a gruta era muito puxada e com o sol de quase meio dia queimando o percurso sem qualquer sombra, chegamos bem desanimados com a expectativa da volta. Mas isso era assunto para depois.
O acesso à gruta é bem estreito. Você literalmente se espreme por entre as paredes para chegar até o fundo, onde pode ver o mar, abaixo de seu nível. Muito interessante.

gruta-do-acaia-ilha-grande

A turma da claustrofobia desiste da empreitada. A sensação é mesmo estranha, num ambiente apertado e de fuga lenta (se é que me entendem). sorriso largo Alguns mais preparados e talvez, cabeças ocas, se arriscam em atravessar por baixo da fenda e sair no mar em torno de 6 metros daveleiro-aracatiba-1 tona. Nada de incrível, mas já ocorreram fatalidades por conta da ansiedade e do pavor.
Hora de pensar na volta, que já começava com a subida até a entrada da gruta. Por sorte e, com certeza simpatia, fizemos amizade com uma família que estava ali de veleiro, vindos de Angra em férias. Isso nos rendeu uma carona de volta, muito especial, até Praia Grande (5,3kms). Lamentamos muito ter perdido os nomes e a referência dessa turma tão gente fina. Só nos sobrou esta foto. Desembarcamos mesmo na água. Nossos amigos seguiram viagem para a estranha Ubatubinha.
Aproveitamos o resto do dia na praia, gastando prosa com nossos anfitriões de Araçatiba. O jantar foi de muita cerveja e peixe frito (Araçatiba é um lugar de pescadores por profissão). Dormimos no nosso quintal bem protegido. Uma chuvinha de verão veio para tirar a maresia da barraca e deixar a noite mais fresca.

quarto-dia-ilha-grande

4º DIA – Partimos cedo (sempre buscando ter tempo de sobra para contornar imprevistos) com destino a Praia de Provetá (3,7kms), onde fizemos uma visita rápida.
Provetá é hoje a segunda maior comunidade da Ilha Grande. A pesca  ainda é a principal atividade econômica, mas o turismo vem assumindo a sua importância ano a ano.

vista-de-proveta-do-alto-da-trilha

largada-do-quarto-dia-ilha-grande

Na praia de 500 metros ficam ancorados os maiores barcos pesqueiros de alto mar da região. Todo o pescado é descarregado em Angra dos Reis.
Com sol alto, tocamos para Aventureiro (3,1kms). Este trecho da trilha teve uma curiosidade adicional. O volume e a quantidade de cigarras deixavam alguns pontos quase que ensurdecedores.

Com o sol nos acompanhando todos os dias, nada como chegar numa praia linda como Aventureiro e desfrutar de uma cerveja bem gelada?

tradicional-coqueiro-deitado-em-aventureiroantarctica-chegando-bem-gelada

Em 2000, ano dessa nossa expedição, podíamos acampar diretamente na praia.
E este foi mais um de nossos campings diretos na areia.
Basta uma sombrinha disponível, embaixo da amendoeira. Logo nos instalamos e nos apossamos deste lugar abençoado pela natureza. Diz-se que Aventureiro conta hoje com 100 moradores fixos. Quando lá estivemos, em 2000, eram bem menos. Uma preciosidade que merece ser preservada.

quinto-dia-ilha-grande

5º DIA – Tristes em deixar Aventureiro (merecia mais uns 2 dias), tocamos bem cedo no sentido de Parnaioca (9kms), nosso próximo destino e acampamento.
Contornamos os 600m do Costão do Demo (o nome tem origem na grande dificuldade de ser vencido com a maré alta ou ressacas) com cuidado. Estava bem lambido e escorregadio. A Gleidys relaxou no último lance de pedra e uppsss!! rindo

largada-do-quinto-dia-ilha-grande

gleidys-no-costao-do-demo-ilha-grande

praia-do-sul-mangue-praia-do-leste

Chegamos a linda Praia do Sul que é separada da Praia do Leste pelo Mangue Branco. Toda essa área é uma Reserva Biológica, que não pode mais ser acessada atualmente.
Todas as precauções objetivando proteger esse bioma são muito bem vindas. Em 2000 éramos poucos, mas já se notavam os maus hábitos alguns visitantes.
O Mangue Branco com suas águas quentes e cor coca cola, resultado da forte presença de matéria orgânica em decomposição, foi considerado em perigo, em razão da intensa e descontrolada visitação. Uma ação necessária em nome da preservação. O encontro de suas águas com o mar produz contrastes tonais e de temperatura deliciosos.

gleidys-no-mangue-branco-ilha-grandegleidys-no-encontro-das-aguas-do-mangue-branco-ilha-grande

No fim da Praia do Leste, inicia a trilha que leva à Parnaioca. Neste ponto encontramos um casal de franceses em pleno naturismo. Deixamos os dois na sua paz sensorial e subimos a trilha, pensando em comer somente no destino. A trilha, como todas, muito agradáveis de percorrer.

trilha-entre-praia-do-leste-e-parnaiocatrilha-entre-praia-do-leste-e-parnaioca-2

Já em Parnaioca, fomos muito bem recebidos por um casal local (não temos mais os nomes), que nos arranjou um espaço para nossa barraca e ainda nos serviu um prato feito inesquecível, preparado em fogão a lenha (essa área de camping foi desmontada pelo IBAMA).

acampados-em-parnaioca-ilha-grandecasal-local-em-parnaioca-nos-recebem-no-camping

Depois de banhos de mar e muita prosa, o cansaço dos quase 10kms de trilha do dia, pegou forte. Para quem pretende sair cedo é hora de apagar. Na foto abaixo, mais um lindo encontro de rio e mar.

rio-desagua-na-praia-de-parnaiocapraia-de-parnaioca-ilha-grande-2

sexto-dia-ilha-grande

6º DIA – O planejamento inicial era de acampar em Dois Rios, ou em Lopes Mendes, mas algumas dificuldades acabaram por nos levar até Palmas. De Parnaioca a Dois Rios foram 6,8kms. Conhecemos as ruínas do presídio, sem dedicar muita atenção a um ambiente que não tem uma carga positiva de energia.

presidio-dois-rios-ilha-grandepraia-de-dois-rios-ilha-grande

Descemos até a praia e lá, sem atrativos que nos convencessem a ficar, decidimos tocar para Cachadaço (3,4kms) adiante, com todo o equipamento. Cachadaço é um enseada bem pequena, mas muito, muito especial, com presença constante de barcos que levam e trazem turistas.

cachadaco-ilha-grande-1cachadaco-ilha-grande-2

cachadaco-ilha-grande-3

Enquanto refrescamos decidimos o futuro de nosso dia. Achamos melhor seguir para Lopes Mendes num dos barcos. A hora já estava adiantada e a preguiça de subir a trilha de volta, muito erodida, nos convenceu. Conseguimos uma boa pechincha num barco que ainda tinha vagas e lá fomos para a praia de Lopes Mendes por água(3,4kms).

Praia Lopes Mendes - Ilha Grande

Nosso desembarque foi complicado. O barqueiro não quis atravessar a arrebentação.
Foi necessário usar nossas habilidades de cariocas para surfar os marolões sem molhar mochilas e equipamentos.

Ali, depois de apreciar a beleza do lugar, decidimos, mais uma vez, em tocar adiante até Palmas. Decisões que se baseiam em ambiente. fizemos uma avaliação dos vizinhos de acampamento que teríamos e julgamos apropriado não montar nossa tenda ali. Pelos cálculos, com mais 3kms de trilha (2 horas) chegaríamos no destino Palmas. E assim foi.

praia-do-pouso-ilha-grandevista-da-praia-de-palmas-do-alto-da-trilha

Atravessamos a Praia do Pouso (acima) e continuamos contornando o mar até ter a vista da Praia de Palmas. Chegamos no Camping Palmas já entardecendo. Ali sim tivemos tranquilidade para montar nossa barraca, tomar um bom banho e comemorar o dia longo.

camping-palmas-2camping-palmas-1

Aliás, pouco falamos de banhos. Sempre que acampamos fora de campings (praias) ,foi possível negociar um banho. Os valores foram mínimos e muito honestos. A comida e café fizemos usando nosso fogareiro à gás. Levamos 2 refis. Gastamos um deles totalmente e o segundo voltou quase novo.

largada-do-sexto-dia-ilha-grande

7 e 8º DIAS – Aproveitamos que nossa barraca estava bem protegida e a estrutura de camping, para descansar na Praia de Palmas por mais um dia.
Contabilizamos nossas andanças, fizemos anotações daquilo que ainda lembrávamos e decidimos seguir para Abraão de barco, já que a trilha por terra seria mínima.
Assim poderíamos contornar o pouco de costa que ainda estava a nossa frente.

enseada-de-palmas-ilha-grande

De Palmas para a Vila de Abraão (9,3kms) saem e chegam muitos barcos. Na manhã do 8º dia, recolhemos acampamento e subimos na traineira que nos levaria para Abraão, onde havíamos  reservado nosso cantinho no camping do amigo Palmas (muita coincidência de Palmas).

8-dia-deixando-palmas-de-barcocamping-amigo-palmas-em-abraao

praia-de-abraao-e-os-urubus

Ficamos mais um dia em Abraão, para conhecer um pouco da vila, já que na chegada (8 dias atrás) não foi possível. A impressão de desorganização, descontrole, muito cheiro de esgoto já eram notados. A praia não era própria para banho e muito disputada com nossos amigos alados. Não sei dizer hoje, mas naquele ano de 2000, Abraão tinha a função de entrada e saída somente.

Números e Estatísticas

Trilha 49,5 quilômetros em 7 dias. Média de 7,10 kms dia. Máximo dia 13,2 kms
Navegação 30,9 quilômetros em navegação costeira.
Acampamentos 7 acampamentos, sendo 5 selvagens (areia da praia).
Problemas e furadas

De uma forma geral não passamos por dificuldades que mereçam destaque.

  • A travessia de Saco do Céu para Bananal foi estressante pela falta de marcação. A mata fechada pode levar você a andar em círculos. Aprenda a usar uma bússola. Nos ajudou muito.
  • O preconceito com mochileiros, que passamos em Ubatubinha (reduto de “vulgos” milionários e suas lanchas e do comerciante local) nos levaram a alongar em muito o planejamento de caminhada do dia.
  • Desembarque antes da arrebentação em Lopes Mendes. Foi preciso muita experiência para surfar os “marolões” sem molhar os equipamentos e mochilas. Ainda voltamos para ajudar os demais passageiros.
  • Escorregão da Gleidys no Costão do Demo. Nunca relaxe quando está próximo de concluir uma tarefa. Conclua primeiro e depois relaxe.
Segurança Sem qualquer anotação neste quesito. Estávamos no ano de 2000.
Farmácia

Só usamos repelente e curativos para bolhas produzidas pela sandália de caminhada. Resolvido com o uso de uma meia.

Animais Vimos muitos lagartos, 1 camaleão, alguns macacos (não sei a espécie), 1 cobra fugindo e 1.000.000.000.000.000 de cigarras.
Chuva Somente um dia de chuva, durante o anoitecer. Sol o tempo todo.
  • Se você está no Rio de Janeiro e quer conhecer Ilha Grande, escolha uma operadora que leve você diretamente de seu hotel, incluindo passeio marítimo, com toda tranquilidade e segurança. Veículos climatizados e saídas diárias. Veja aqui.

Até breve.    Siga-nos nas redes sociais

         Siga-nos no Twitter Veja nosso canal no YouTube Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Instagram Siga-nos no Google+


RECOMENDAMOS PARA VOCÊ A LEITURA ABAIXO

Pedra do Sino – Serra dos Órgãos - RJ
360 Graus – Nova trilha no PARNASO
Prateleiras – Itatiaia - RJ

Aproveite que está aqui, cadastre abaixo seu e-mail em nosso Feed de notícias e receba gratuitamente, todas as atualizações deste blog.

 

Gostou de nosso equipamento? Aproveite e conheça mais sobre a Camper Duaron, clicando no banner a seguir. Venha para a estrada conosco.

duaron-logo-400[6]