Mostrando postagens com marcador gourmet. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador gourmet. Mostrar todas as postagens

A copa é na Rússia, mas a culinária está aqui.

Romanoff

junho/2018 - Culinária Russa. Já se passaram mais de 20 anos desde a última vez que experimentamos a culinária deste restaurante, ainda na antiga casa do Alto Tijuca, Teresópolis.
A ideia de voltar deu água na boca e era também uma ótima oportunidade de rever os proprietários, Sr. Isbello e D. Maria Emília e conhecer as novas instalações, agora no bairro Bom Retiro.
A nova casa, muito ampla e harmoniosamente decorada vale pela visitação. Não há espaço que tenha sido deixado a sua própria sorte. Veja mais… >>>

Quer viajar o mundo, comendo na casa de pessoas desconhecidas?

melhor-emprego-mundo--

abril/2017Empresa vai contratar dupla para viajar o mundo comendo na casa de pessoas desconhecidas!!
O Dinneer.com, uma empresa de jantares compartilhados, anunciou que está buscando duas pessoas para “O melhor emprego do mundo”. Os contratados viajarão pelo mundo com todas despesas pagas. O Dinneer faz parte do novo setor de empresas de economia compartilhada, como Uber e Airbnb. A ideia é conectar pessoas que amam cozinhar em casa (anfitriões) com visitantes, pessoas que querem uma experiência gastronômica nova que fuja do tradicional restaurante. Veja mais… […]

Trutas do Rocio - provamos e aprovamos

trutas-do-rocio-logomarca

janeiro/2017 – aqui estamos novamente. Tudo que falamos na primeira visita, em outubro/2016 (texto abaixo), está valendo. Desta vez experimentamos a Truta com Alho Porró e molho branco gratinado, além de repetir a deliciosa Truta do Bosque.

trutas-do-rocio-2a-visita

truta-com-alho-porrotruta-do-bosque


outubro/2016 – fomos conhecer e saborear as tão famosas Trutas do Rocio, no premiado restaurante de mesmo nome, localizado no acesso às instalações do CINDACTA, Vargem Grande, saída km 76 da BR040.
Em Petrópolis, região serrana do Rio de Janeiro, o lugar é especial, com 1200 metros de altitude e dentro de uma área de preservação ambiental, em meio a mata atlântica da Serra dos Órgãos.
O negócio foi iniciado em 1982, com uma pequena produção de trutas. Hoje as trutas são criadas em 6 tanques que abastecem principalmente o restaurante. O rio Quilombo, com suas águas cristalinas alimenta os tanques da criação. O restaurante funciona exclusivamente com reservas antecipadas. Veja mais… […]

Restaurante D.Irene – Culinária Russa - Teresópolis - RJ

Romanoff

dezembro/2014 - Culinária Russa. Já se passaram mais de 20 anos desde a última vez em que experimentamos a culinária deste restaurante, ainda na antiga casa do Alto Tijuca. A ideia de voltar deu água na boca e era também uma ótima oportunidade de rever os proprietários, Sr. Isbello e D.Maria Emília e conhecer as novas instalações, agora no Bom Retiro.
A nova casa, muito ampla e harmoniosamente decorada vale pela visitação. Não há espaço que tenha sido deixado a sua própria sorte.

ambiente

O Restaurante Dona Irene foi fundado em 1964, na zona rural de Teresópolis, pelo casal siberiano, Mikhail Flegontovich Smonianikoff, com 70 anos à época, e Eupraxia Wladimirovna Smonianikoff. A culinária servida era a mesma da época em que viveram na Rússia sob a dinastia Romanoff, seguindo o mesmo ritual usado pela aristocracia de então, que dividia a refeição em 4 etapas, mantidas até hoje.
Na primeira servem-se os ZAKUSKIS, na segunda serve-se a sopa BORSCHT, na terceira fase, servem-se os pratos principais, que podem ser O FRANGO A KIEV, O VARÊNIQUE, O POJARSKY, O PODJARKA, O FILÉ MIGNON, O CQUILLE ou o BEEF STROGANOFF. Nós optamos pelo FRANGO A KIEV e o PODJARKA.
Na quarta e última fase são servidas as sobremesas, dentre elas o destaque para CHARLOTTE RUSSA, o SUPREMO DE NOZES COM CHOCOLATE, o PAVÊ DE PITANGA e as PANQUECAS FLAMBADAS NO CONHAQUE
Chá ou café encerram a refeição, que dura algo em torno de 4 horas de degustação. O detalhamento de cada prato e de cada fase, você pode obter clicando neste link. Menu D. Irene

Destaque especial para a excelente vodka NaZdaróvia, servida aprisionada em um bloco de gelo, para o espaço único e particular em que cada mesa é ambientada, e para a inesgotável gentileza dos anfitriões em nos deixar plenamente confortáveis e bem servidos.

vodka

Permita-se a este prazer. Ligue e faça sua reserva com alguma antecedência e confira a precisão de meus comentários. Depois me escreva para contar.

nos

Até breve.    Siga-nos nas redes sociais assinatura

           Siga-nos no Twitter Veja nosso canal no YouTube Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Instagram

Costela no Bafo ou Bar do Serginho – Petrópolis – RJ

Bar do Serginho agosto/2014 - Finalmente conseguimos cumprir uma promessa de conhecer e conferir a saborosa Costela no Bafo, por tantos amigos indicada. Fica na Av. Getúlio Vargas, 2543, no bairro Quintandinha, em Petrópolis. O bar, tem um jeito de “pé sujo”, ou “bunda de fora”, com várias churrasqueiras de barro ocupando a frente. 
Este ponto da Av. Getúlio Vargas parece um pouco isolado, mas fique certo que é seguro andar por ali. Enfim, não deixe que nada disso o intimide. Arranje uma vaga para seu carro e vá entrando. Pegue uma cardapio mesa, peça o cardápio e escolha a costela de sua preferência, entre outras opções. O atendimento é ótimo, e a qualidade da costela servida é inigualável. Muito provavelmente o próprio Serginho vai estar no balcão para lhe dar toda a atenção.
A costela é servida muito rapidamente. O processo de preparo acontece durante todo o dia, de forma a estar quase pronta para servir. Nós optamos pela Costela Recheada, sugerido pelo Serginho.
Serve muito bem a duas pessoas. Vem acompanhada com maionese, farofa e vinagrete. Desnecessário dizer que é, de fato, muito saborosa. A costela se desmancha. Os recheios simplesmente desaparecem durante o processo de cozimento no bafo, que consiste em várias horas protegida por saco plástico, preservando a umidade da carne. Pouco antes de ser servida, a peça passa para uma outra churrasqueira onde é exposta ao calor do carvão, toque final antes de ir a mesa. O cuidado não para aí. A costela fica sobre a mesa, sempre aquecida por um lindo recipiente de barro, que já encomendamos.

Mais opções são Joelho de Porco, Rabada, Cupim, Carne Seca e Pernil Assado.

Aquecedor de barro Visitando o Costela no Bafo

No Frio de Petrópolis

  • Bom, fica aí a dica. Não demore tanto quanto nós para visitar o Bar do Serginho.
  • Coloque as coordenadas a seguir no seu GPS e vá tranquilo. 22º31’18.88”S - 43º11’57.05”O
  • Arquivo .kmz do Google Earth, pegue aqui.

DesviosdeRota5

Até breve.    Siga-nos nas redes sociais assinatura

           Siga-nos no Twitter Veja nosso canal no YouTube Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Instagram

Mendes – RJ

image agosto/2014 - Nosso objetivo nesta pequena viagem era o de conhecer e saborear os produtos da Fazenda do Alemão, que fica no bairro de Jabuticabeira em Mendes, considerado o terceiro melhor clima do mundo (assim afirmam).

A natureza pura da região serrana de Mendes é a pátria do casal Anne (sul-africana)  e Manfred Bergmann (alemão). Especialidades no padrão alemão, fabricados com grande esmero à base de matérias primas selecionadas, seguem as receitas tradicionais alemãs.

É uma empresa familiar, fundada em 1987, especializada em produtos finos de salsicharia e presuntaria, com um amplo programa também em hortaliças e derivados - como chucrute de vinho, mostarda picante, raiz forte, pepinos em conserva, pão de centeio, etc...

O acesso não é difícil, mas não sugerimos trazer trailers, uma vez que os últimos 3 kms são de subida íngreme, em piso de pedra, numa estradinha bem estreita. Com a Camper nós não tivemos problemas.

Instalamos nosso passageiro Fredy (o gato), com comida e água e seguimos para o restaurante da Fazenda, para degustar as delícias que reservamos. (é necessária reserva antecipada).

A ambientação da casa que serve também como restaurante é impecável. Cada detalhe foi sendo adicionado com o tempo, formando uma identidade única. Transmite muita tranquilidade, requisito importante para saborear tanta delícia.

Anne Fomos recebidos pessoalmente pela Anne, que nos contou um pouco de como tudo aconteceu.

O marido Manfred é engenheiro de formação. Em 65 foi trabalhar na África do Sul, onde conheceu a Anne. Em pleno “apartheid”, as condições de vida eram muito difíceis para Anne, negra e favelada, mais ainda para o namoro dos dois. A despeito de tudo, dez anos depois Anne engravidou. Com muito esforço, o casal conseguiu mudar para a Alemanha, onde hoje, ainda mora a filha do casal.

O clima frio da Alemanha não agradou a sul-africana Anne. Então, o engenheiro Manfred foi convidado para trabalhar na usina nuclear de Angra,  em fase de construção no ano de 1983. Vieram todos para o Brasil.

Concluída a tarefa, Manfred ficou sem trabalho. Tentaram muitas opções, desde criar porcos, plantar feijão, … sem, entretanto, conseguir o sucesso desejado. Manfred resolveu retornar a Alemanha e aprender com seu pai, a fazer salsichas, já que no Brasil ainda não havia encontrado nada igual ao padrão Alemão. De início trabalhou somente com salsichas, mas logo a seguir abriu para vários outros embutidos, joelho de porco, costeleta de porco defumada, diversos tipos de molhos, pães, biscoitos, tortas, geleias, enfim, só delícias alemãs. Foi quando, em 1987 foi aberto o restaurante “Fazenda do Alemão”. E aqui estamos nós, nos fartando.

Escolhemos o prato mais adequado para um visitante de primeira vez. O famoso “um pouco de quase tudo”. Serve bem até 4 pessoas de apetite comedido. Nosso caso serviu muito a bem a dois com muito apetite. rsrsrsss. Valores de agosto de 2014.

Acompanhado de uma cerveja bem gelada, passamos momentos bem difíceis, vendo aos poucos estas delícias  desaparecendo.

Destaque para os molhos diversos para temperar e valorizar os sabores. O sabor quase que adocicado do Chucrute contrastava com a batata sauté, …

Escrever sobre estas delícias já está me dando água na boca. Resolução de voltar já foi tomada, ainda no restaurante.

Para ter uma ideia das muitas outras opções do cardápio, faça o download das páginas que fotografamos e ligue reservando uma mesa, já neste próximo fim de semana. O restaurante fica aberto aos sábados, domingos e feriados nacionais. Leve dinheiro ou cheque. O sinal de celular é muito fraco no local, dificultando o uso de máquinas de crédito ou débito.

A seguir, um pouco mais do ambiente do restaurante:

tacho

Este tacho da última foto acima, estava preparando estas delícias na Bauernfest de Petrópolis em julho/2014. Na verdade, foi lá que tivemos o primeiro contato com as salsichas da Fazenda do Alemão.

Não deixe de parar na lojinha do restaurante e leve para casa um pouco de tudo que for possível. Quem sabe quanto tempo você vai demorar para voltar? Aliás, a Anne nos ofereceu o espaço do estacionamento, por sinal muito arborizado, para passarmos a noite, ou mesmo tirar uma soneca antes de prosseguir viagem. Tentações para quando voltarmos.

Para ver as coordenadas geográficas da Fazenda do Alemão em Mendes, baixe o arquivo .kmz a seguir, para usar no Google Earth. Mendes - Fazenda do Alemão.
Mapas e dicas de como chegar, você pode pegar diretamente no site deles. Fazenda do Alemão, Como Chegar.
Para saber mais sobre a cidade de Mendes, clique aqui. Portal da Prefeitura de Mendes

Quando você for lá, nos diga o que achou.

Desvios de Rota

Até breve.    Siga-nos nas redes sociais assinatura

           Siga-nos no Twitter Veja nosso canal no YouTube Curta nossa página no Facebook Siga-nos no Instagram